Atualização de taxas de portagem 2017

02/01/17
Back Print

As portagens na rede Brisa Concessão Rodoviária (BCR) vão aumentar em 1 de Janeiro, em média cerca de 0.86%. Mas, cerca de 80% das taxas de portagem da classe 1, mantêm-se inalteradas. A Brisa, ao longo de 2017, irá investir 57 milhões de euros na melhoria da sua rede.

 

A Brisa Concessão Rodoviária informa que, a partir de 1 de Janeiro de 2017, entrará em vigor o novo tarifário de portagem nas suas autoestradas.
Neste sentido, e de acordo com os mecanismos de atualização de taxas previstos no respetivo contrato de concessão, as tarifas de portagem irão registar, em 2017, uma atualização de 0.84%, valor que tem como referência, conforme legalmente estipulado, a taxa de inflação homóloga – continente sem habitação – de Outubro.
Nos termos da legislação em vigor, a atualização das taxas de portagem reflete-se em valores múltiplos de cinco cêntimos. Este método de atualização traduz o mecanismo de arredondamento das taxas de portagem para o múltiplo de cinco cêntimos mais próximo, o que implica, em termos práticos, atualizações não homogéneas.
Existem, por isso, casos de taxas de portagem que apresentam uma variação inferior à média ou mesmo nula, sendo que, noutros casos, as taxas de portagem apresentam uma variação superior à média, por não terem sido objeto de atualização em anos anteriores. Neste sentido, o aumento médio para todas as classes de veículos e todos os trajetos é estimada em 0.86%.
Para a classe 1, apenas 18 das 93 taxas de portagem serão atualizadas. É relevante salientar que para a maioria dos principais percursos, o impacto das atualizações é mínimo, e que nas entradas dos grandes centros urbanos (Lisboa e Porto) não há aumentos.
Para consultar as taxas de portagem em vigor em 2017, por favor, consulte www.viaverde.pt
Investimento de 57 milhões em 2017.
Em 2017, a Brisa Concessão Rodoviária (BCR) prevê investir cerca de 57 milhões de euros, o que representa um crescimento superior a 10% face a 2016, na sua rede, que serão destinados à realização de obras para melhoria dos níveis de serviço prestado, ao nível da segurança e conforto de quem viaja nas autoestradas.
Refira-se que a BCR é um dos principais dinamizadores do setor das obras públicas, em Portugal, com investimentos anuais superiores a 50 milhões de euros.
Dos investimentos previstos para 2017, destacam-se várias intervenções na substituição dos pavimentos, nomeadamente, nos sublanços Coimbra Norte/ Mealhada (A1), Grândola Sul/Aljustrel (A2), Pinhal Novo/ Poceirão (A12) e Montemor-o-Novo /EN335 (A14).
A obra mais significativa é, contudo, o alargamento da A4 – Autoestrada Porto/ Amarante, que inclui a construção de um novo túnel complementar em Águas Santas, que irá aumentar a capacidade de serviço deste importante acesso à cidade do Porto.
O programa de investimento, para 2017,inclui ainda cerca de 5 milhões de euros, aplicados em equipamentos de telemática rodoviária e de segurança.
A Brisa Concessão Rodoviária agradece antecipadamente a compreensão e colaboração dos automobilistas, esperando contribuir para reduzir eventuais inconvenientes decorrentes do programa de melhoria da infraestrutura.
No site (www.viaverde.pt) poderá ser consultada a evolução deste programa de trabalhos, bem como os respetivos impactos nas condições de circulação.

A Brisa Concessão Rodoviária informa que, a partir de 1 de Janeiro de 2017, entrará em vigor o novo tarifário de portagem nas suas autoestradas.

Neste sentido, e de acordo com os mecanismos de atualização de taxas previstos no respetivo contrato de concessão, as tarifas de portagem irão registar, em 2017, uma atualização de 0.84%, valor que tem como referência, conforme legalmente estipulado, a taxa de inflação homóloga – continente sem habitação – de Outubro.

Nos termos da legislação em vigor, a atualização das taxas de portagem reflete-se em valores múltiplos de cinco cêntimos. Este método de atualização traduz o mecanismo de arredondamento das taxas de portagem para o múltiplo de cinco cêntimos mais próximo, o que implica, em termos práticos, atualizações não homogéneas.

Existem, por isso, casos de taxas de portagem que apresentam uma variação inferior à média ou mesmo nula, sendo que, noutros casos, as taxas de portagem apresentam uma variação superior à média, por não terem sido objeto de atualização em anos anteriores. Neste sentido, o aumento médio para todas as classes de veículos e todos os trajetos é estimada em 0.86%.

Para a classe 1, apenas 18 das 93 taxas de portagem serão atualizadas. É relevante salientar que para a maioria dos principais percursos, o impacto das atualizações é mínimo, e que nas entradas dos grandes centros urbanos (Lisboa e Porto) não há aumentos.

Para consultar as taxas de portagem em vigor em 2017, por favor, consulte AQUI, ou em www.viaverde.pt

Investimento de 57 milhões em 2017.

Em 2017, a Brisa Concessão Rodoviária (BCR) prevê investir cerca de 57 milhões de euros, o que representa um crescimento superior a 10% face a 2016, na sua rede, que serão destinados à realização de obras para melhoria dos níveis de serviço prestado, ao nível da segurança e conforto de quem viaja nas autoestradas. Refira-se que a BCR é um dos principais dinamizadores do setor das obras públicas, em Portugal, com investimentos anuais superiores a 50 milhões de euros.

Dos investimentos previstos para 2017, destacam-se várias intervenções na substituição dos pavimentos, nomeadamente, nos sublanços Coimbra Norte/ Mealhada (A1), Grândola Sul/Aljustrel (A2), Pinhal Novo/ Poceirão (A12) e Montemor-o-Novo /EN335 (A14).

A obra mais significativa é, contudo, o alargamento da A4 – Autoestrada Porto/ Amarante, que inclui a construção de um novo túnel complementar em Águas Santas, que irá aumentar a capacidade de serviço deste importante acesso à cidade do Porto.

O programa de investimento, para 2017,inclui ainda cerca de 5 milhões de euros, aplicados em equipamentos de telemática rodoviária e de segurança.

A Brisa Concessão Rodoviária agradece antecipadamente a compreensão e colaboração dos automobilistas, esperando contribuir para reduzir eventuais inconvenientes decorrentes do programa de melhoria da infraestrutura.

No site (www.viaverde.pt) poderá ser consultada a evolução deste programa de trabalhos, bem como os respetivos impactos nas condições de circulação.